Emma Watson Portugal
Fonte sobre a Emma Watson em Portugal
Bem-vindo ao Emma Watson Portugal,a tua nova ,maior e mais completa fonte sobre a atriz, modelo britânica e também embaixadora da ONU Mulheres, Emma Watson ,em Portugal. Aqui irás ter acesso a noticias, fotos, videos, exclusivos e muito mais relacionado com a Emma. Explora o nosso site á tua vontade e segue nos nas redes sociais. Obrigado pela tua visita.
A equipa Emma Watson Portugal

Emma Watson doou um milhão de libras (cerca de um milhão cento e trinta mil euros) para lançar um fundo destinado a apoiar as vítimas de assédio e de abuso sexual.


O Justice and Equality Fund (Fundo para a Justiça e a Igualdade, em português) foi anunciado numa carta aberta publicada na imprensa britânica, que apoia o movimento americano Time’s Up. O texto é assinado por cerca de 200 mulheres, entre elas as atrizes Kate Winslet, Emma Thompson e Keira Knightley.


Iniciada com um “Queridas irmãs“, a carta propõe um movimento internacional para acabar com a cultura de abusos exposta pelo escândalo que envolveu o produtor de cinema Harvey Weinstein.


Num passado muito recente, vivíamos num mundo no qual o assédio sexual era uma brincadeira incómoda, uma parte difícil e inevitável de ser uma menina ou uma mulher“, continua a carta, publicada no jornal “The Observer”.



Em 2018, parece que despertámos num mundo preparado para a mudança“, acrescenta o texto.


Watson disse: “É fácil descartar o assédio e o abuso como sendo causado por ‘um ou dois homens mesmo, mas mesmo maldosos’, mas as estatísticas do Reino Unido apontam para um problema muito maior e mais estrutural. Esta questão é sistémica, ao contrário de eventos individuais e únicos


Mais da metade de todas as mulheres e quase dois terços das mulheres com idades entre os 18 e os 24 anos, dizem que sofreram assédio sexual no trabalho. Uma em cada cinco mulheres na Inglaterra e no País de Gales experimentaram algum tipo de abuso sexual após os 16 anos de idade. Isto não deveria ser tolerado e não pode e não deverá ser a nossa norma.  Nós podemos fazer melhor que isto.


A carta pode ser lida no site “The Guardian“, basta clicarem aqui.